Artigo Espírita

>>Artigo Espírita

Artigo Espírita

2020-09-30T10:28:26-03:00 30 de setembro de 2020|

A pandemia do COVID 19 – Uma oportunidade perdida?

Humberto Werdine

Escrevo este texto nos primeiros dias de setembro de 2020, no início da segunda onda do vírus COVID 19 aqui na Europa.

A minha família direta foi afetada: minha esposa e uma de minhas filhas. Minha filha está praticamente recuperada e minha esposa está se recuperando pouco a pouco. Ambas não necessitaram de internação hospitalar. Agradeço a Deus todos os dias pela recuperação delas. Tive amigos que sofreram muito com esse vírus. Uns tiveram que ser entubados e se recuperaram após muitas semanas de angústia e dores.

Outros não tiveram a mesma sorte e faleceram. Todos esses que partiram, eram da minha faixa de idade, pouco mais de 60 anos. Nesta semana, uma querida amiga enviou uma mensagem no meu whatsappprivado, chamando esta doença de maldita. Chegaram a mim vários comentários semelhantes, de diversas pessoas, usando similar adjetivo para essa doença. E alguns, até mesmo questionando por que Deus teria mandado uma doença tão perniciosa.

Li muitas referências na Internet, as quais se reportavam ao capítulo flagelos destruidores de O Livro dos Espíritos, mais especificamente às respostas às perguntas 737 a 741. Mas aqui, meu desejo é outro: propor uma reflexão aos leitores deste artigo.

Esta pandemia do COVID 19, até agora, está muito longe de ser um flagelo destruidor. Para as famílias que perderam seus entes queridos, quase 900 mil em todo o mundo até agora, essa doença é devastadora. E isso não pode ser negado. Somos também sabedores, por mensagens de espíritos nobres, que todas essas pessoas estão sendo amparadas nas diversas colônias espirituais que circundam nosso planeta – o que é para nós, espíritas, uma grande consolação. Mas como disse, este vírus está longe de ser considerado um flagelo destruidor, assim como também não é uma doença maldita ou um castigo de Deus, tal como já ouvi de algumas pessoas ligadas às religiões Cristãs mais fundamentalistas.

Há pouco mais de 100 anos, sim, houve um flagelo bastante destruidor, que foi a gripe espanhola, a qual infectou cerca de 500 milhões de pessoas, um pouco mais de um quarto (25%) da população mundial daquele período e matou mais de 50 milhões de outras. Interessante informar que a denominação espanhola foi devido a uma censura imposta à divulgação da pandemia de então pelas autoridades dos países recém saídos da primeira grande guerra mundial que, por si só, tinha dizimado mais de 17 milhões de pessoas. Quando a gripe causada pelo Influenza vírus H1N1, com uma fatalidade enorme, teve início, as autoridades decidiram manter silêncio a respeito de sua agressividade, para não agravar ainda mais as dores daqueles povos que haviam perdido muitos de seus filhos e filhas durante a guerra. E as notícias, assim, chegavam somente da Espanha, a qual se manteve neutra no decorrer da guerra. Daí o nome de gripe espanhola.

Se fizermos uma extrapolação para o entendimento desses números, e considerarmos que o COVID 19 tenha a mesma fatalidade e verocidade do H1N1 da gripe espanhola, o mundo teria tido, nesta pandemia, quase 02 bilhões de pessoas contaminadas e cerca de 200 milhões de pessoas mortas. Um Brasil inteiro! Isso sim teria sido um flagelo universal e uma catástrofe mundial! Com grande possibilidade, cada família do planeta teria tido pelo menos uma pessoa atingida pelo vírus! E a economia mundial entraria em colapso total.

Talvez a fome atingisse os países mais ricos e esse flagelo poderia causar um divisor de águas para o desenvolvimento da solidariedade universal e uma nova ordem social. Os Espíritos nobres, ao responderem às perguntas acima feitas por Kardec, afirmaram que a grande razão desses flagelos é um avanço mais rápido do progresso moral e material da humanidade, pois gera a oportunidade para o exercício da solidariedade e para o avanço da ciência na descoberta de remédios e vacinas.

Em outras palavras, o mundo daria um salto na direção de maior solidariedade e de avanços na medicina para curas de doenças, após os mesmos. Mas agora, a Espiritualidade Superior, com piedade e grande amor por nós, deu-nos um flagelo menor, para que aproveitássemos as lições decorrentes desse grande sofrimento provocado pelo COVID, que não respeita fronteiras, mas é pequeno em sua voracidade quando comparado ao H1N1.

Mas, infelizmente, o que vemos diariamente pela mídia são governos em todo o mundo usando politicamente os resultados danosos desta pandemia. Vemos laboratórios em todo o mundo competindo entre si, gastando fortunas, centenas de milhões de dólares, que somados, atingem cifras enormes numa competição para comercializar primeiro as vacinas e, com isso, recuperarem seus gastos, auferindo lucros astronômicos à custa da pandemia. Essas aglomerações empresariais, bem como os governos que as promovem estão, lamentavelmente, usando esse problema como oportunidades de ganhos eleitorais e de proeminência científica e econômica.

O ponto de vista aqui defendido quanto a atual pandemia ser um flagelo menor, é a de que a Espiritualidade amiga nos está dando uma oportunidade única para que sem a chegada de um vírus destruidor como o da gripe espanhola, um flagelo maior, nós nos solidarizemos verdadeiramente, unamo-nos mais; vejamos que somos todos iguais, ricos ou pobres, em qualquer cor de pele, pois o vírus a todos ataca de igual maneira.

É claro que os mais abastados financeiramente podem ter um hospital melhor, mas o ataque do vírus é igual, independente de classe social. Isso deveria ter servido como uma chamada de atenção a todos nós. Deveríamos ter aproveitado mais esta oportunidade para estreitar a convivência com nossa família direta, sentirmos mais a importância de um abraço, de estarmos junto com nossos filhos, nossos pais e avós. Deveríamos estar aproveitando mais este tempo em família para refazer planos, repensar nossa vida e nossos valores. Os governantes deveriam ter visto que a oportunidade lhes foi dada para que diferentes governos se unissem contra um inimigo comum e promovessem uma luta integrada para o desenvolvimento de uma vacina universal possível a todos os cidadãos do mundo. Certamente, o custo financeiro e de recursos humanos teria sido muito menor e a eficácia e rapidez de seu desenvolvimento seriam bem maiores e mais rápidas.

O Presidente Carlos Alvarado, da Costa Rica, foi um dos poucos chefes de Estado que em um momento de lucidez e compreensão, disse-nos: “A pandemia COVID-19 mostrará um antes e um depois na história da humanidade, não só em termos de nossos sistemas de saúde, mas também para trabalharmos juntos e para as relações entre as pessoas, porque apesar da crise que enfrentamos, temos uma oportunidade de tomar decisões conjuntas que mudarão para sempre o futuro da população mundial a curto e médio prazo”.

E a escritora indiana Arundhati Roy foi muito esclarecedora quando disse: “Historicamente, as pandemias forçaram os humanos a romper com o passado e imaginar seu mundo novo. Esta não é diferente. É um portal, uma passagem entre um mundo e o outro. Podemos escolher caminhar por ele, arrastando as carcaças de nosso preconceito e ódio, nossa avareza, nossos bancos de dados e ideias mortas, nossos rios mortos e céus esfumaçados para trás. Ou podemos caminhar com leveza, com pouca bagagem, prontos para imaginar outro mundo. E prontos para lutar por isso.”

Mas tal não ocorreu. Houve muita solidariedade sim, mas foram pontuais e não institucionais. Os governos e os governantes mundiais e os grandes laboratórios não se uniram; não houve a solidariedade esperada pela Espiritualidade, e o egoísmo e a busca de lucros que uma possível vacina irá proporcionar, foram o leit-motiv que estão por trás das ações que vemos pelos periódicos. O Papa Francisco, mostrando sua frustração e desapontamento,disse-nos recentemente: “Seria muito triste se a prioridade da vacina COVID-19 fosse dada aos mais ricos. Seria triste se essa vacina se tornasse propriedade desta nação ou de outra, em vez de universal e para todos. A pandemia revelou a difícil situação dos pobres e a grande desigualdade que reina no mundo”.

Nós, espíritas, por nossa vez, aproveitamos esta pandemia para falar dos sinais de um planeta de regeneração que está em gestação. Mas uma pergunta não se cala: será que nós estamos aproveitando esta oportunidade para realmente repensarmos nossas ações e, assim sendo, podermos sair desta crise mais leves e mais propensos a perdoar e tolerar? Será que a lição deixada por Jesus de caminhar uma milha a mais, de fazer sempre um pouco mais, está sendo aproveitada e será aproveitada após a pandemia? Ou teremos que esperar por uma segunda, terceira, quarta onda cada vez mais danosa desse vírus, ou outro mais grave, para finalmente acordarmos?

Se os governantes querem sua reeleição a qualquer custo, se os laboratórios buscam seus lucros abusivos, tudo isso é problema deles.

Agora, se nós não fizermos a nossa parte, aproveitando este tempo para que saiamos dele melhores seres humanos, verdadeiramente, o problema único e exclusivamente nosso. É o momento para uma grande reflexão! Creio que vale nos lembrarmos das palavras do Espírito de Verdade, no Evangelho segundo o Espiritismo: “Trabalhemos juntos e unamos os nossos esforços, a fim de que o Senhor, ao chegar, encontre acabada a obra”, porquanto o Senhor lhes dirá: “Vinde a mim, vós que sois bons servidores, vós que soubestes impor silêncio aos vossos ciúmes e às vossas discórdias, a fim de que daí não viesse dano para a obra!” Mas ai daqueles que, por efeito das suas dissensões, houverem retardado a hora da colheita, pois a tempestade virá e eles serão levados no turbilhão!”

Esta pandemia está propiciando oportunidades imensas para que possamos repensar nossas ações. Portanto exercitemos o silêncio em relação aos nossos ciúmes e às nossas discórdias. Por que nos determos em nossos egoísmos e preconceitos? Por que não aproveitarmos este tempo? Jesus tem pressa!

 

Humberto Werdine

 

Engenheiro e especialista Senior de Segurança Nuclear.

No Brasil atuou no Movimento Espirita no Rio de Janeiro por quase 35 anos como medium e expositor espírita, sendo também diretor da área doutrinária da Fundação Espirita Dr. Bezerra de Menezes, localizada em Angra dos Reis, no Sul Fluminense.

Desde 2001 vive na Europa e vem trabalhando ativamente para a divulgação da Doutrina Espírita, participando como conferencista em Congressos Symposium e Encontros Nacionais, além das palestras e seminários a convite dos países membros do Conselho Espirita Internacional.

Articulista espírita, colaborando com a Revista Eletrônica O Consolador, Revista Internacional do Espiritismo – RIE, Revista Espirita, da Federación Espirita Española. Dentre outros.